Refletindo sobre saúde e segurança na Tesla

Regra #17 – Não somos robôs.

As pessoas estão no centro de excelência da cultura de segurança, e não as máquinas. Ao longo dos últimos anos, a Tesla, o fabricante de alguns veículos elétricos, tem lutado com a segurança do trabalho. Entre 2013 e 2016, as taxas de acidentes da Tesla foram cerca de 30% maior do que a média da indústria, de acordo com a Worksafe – os paramédicos chegaram a sua planta californiana mais de 100 vezes entre maio de 2014 e maio de 2017. A fábrica da Tesla emprega cerca de 10 mil trabalhadores e se esforça para fazer quase meio milhão de carros até 2018 – um aumento de 495% em relação a 2016.

Em 2016, o CEO da Tesla, Elon Musk, admitiu que seus trabalhadores estavam “tendo um tempo difícil, devido a dificuldade e a longa jornada de trabalho”. Na semana passada, Tesla voltou nas manchetes por um desempenho de segurança fraco. Mas desta vez, Musk respondeu de forma diferente.

Apesar da negatividade, Musk insiste que a segurança é a prioridade número um da Tesla. Ele afirma que ações recentes, incluindo a contratação pela empresa de milhares de funcionários para responder às grandes demandas de produção de carros, e para ajudar a reduzir o excesso de horas extras que tiveram um impacto significativo na redução das taxas de lesões.

O sul-africano Elon Musk não é estranho à dinâmica cultural e parece ter recebido a mensagem sobre a importância da segurança no trabalho. Musk diz:

“Não há palavras para expressar o quanto eu me preocupo com sua segurança e bem-estar. Quando alguém se machuca construindo carros e tentando o seu melhor para fazer a Tesla bem-sucedida.

Daqui para frente, pedi que todas as lesões fossem relatadas diretamente para mim, sem exceção. Estou me encontrando com a equipe de segurança do trabalho todas as semanas e gostaria de conhecer todas as pessoas lesadas assim que estiverem bem, para que eu possa entender através delas exatamente o que precisamos fazer para melhorar a segurança no trabalho. Em seguida, eu vou para a linha de produção  executar a mesma tarefa que eles executam.

É melhor tentar evitar que uma circunstância negativa ocorra do que esperar a ocorrência e depois ser reativo. Quando o risco é grave, parece que você deve ser proativo e não reativo.”

Enquanto a nota de Musk parece dizer o que é certo, o que ele sugere é, na verdade, o que todos os gerentes da Tesla deveriam fazer. Porque não importa o que nós dizemos, importa o que fazemos.

Os líderes eficazes sabem que para inspirar seus seguidores, eles precisam praticar o que eles pregam. Os grandes líderes sabem quando precisam levar as coisas em suas próprias mãos. Quando ocorre um grave problema, eles se envolvem e trabalham duro para fazer as coisas corretas.

Se Musk é fiel à sua palavra, será um ótimo exemplo de um líder disposto a fazer o que é necessário para efetuar mudanças.

A Nova Regra de Segurança #17: Pergunte agora, não mais tarde

Seu pessoal precisa saber que você dá cobertura a eles. Você é só conversa? Ou você está disposto a colocar-se para eles? Uma maneira de entender a cultura de segurança antes de ocorrer uma lesão é perguntar “Quão seguro foi hoje?”

Como Musk agora entende, é muito melhor perguntar “Quão seguro foi hoje?” do que “O que fizemos de errado ontem?”.

Autor: Andrew Sharman
Fonte

Andrew Sharman é o autor do livro mais vendido no mundo “From Accidents to Zero: A Practical Guide to Improving Your Workplace Safety Culture

Leave a Reply

Your email address will not be published.